Bem-estar

Como lidar com o seu mau humor: dicas de como deixar o seu dia com um astral melhor

“Tenho fama de mal-humorada pela manhã, principalmente ao acordar muito cedo. Na TPM fico pior”, admite Danielle Valejo, de 28 anos. Uma das explicações para situações como essa é que o humor é regulado pela serotonina, um neurotransmissor cuja produção é baixa nos períodos de tensão pré-menstrual e ao acordar. Por isso, muitas pessoas acordam mal-humoradas e melhoram conforme as horas vão passando, porque a luz solar estimula a produção da substância no organismo.

Quem é conhecido por seus amigos como uma pessoa mal-humorada, por carregar o comportamento ao longo do dia, precisa ficar atento, pois esse pode ser um sintoma de distimia.

“É como se fosse uma depressão leve, uma espécie de mau humor crônico, caracterizado por irritabilidade e um pouco de tristeza”, explica Monica Portella, psicóloga especialista em habilidades sociais.

Não há como definir quem sofre mais: os mal-humorados ou as pessoas que estão a sua volta. Fato é que se relacionar com uma pessoa que constantemente tem pavio curto não é tarefa fácil.

“Quando estamos de mau humor, corremos o risco de ficar irritados ou até agressivos, e as nossas palavras podem magoar pessoas que amamos. Além de perdermos a concentração em situações que precisam ter mais atenção”, alerta a psicóloga Livia Marques, especialista em terapia cognitivo-comportamental.

O psicanalista Alexandre Pedro afirma que as consequências de um dia de mau humor podem ser irreversíveis. O autoconhecimento é fundamental nos dias em que você não está alto astral.

“É preciso observar se há alguma repetição de padrão nesses episódios de mau humor. Além disso, a própria pessoa deve observar que naquele dia ela não está bem e se programar para se estressar o menos possível durante o dia”, indica Alexandre.

Leia:  Pesquisadores brasileiros descobrem causa genética para acne na mulher adulta

Pedir ajuda a uma pessoa amada pode ser a saída para tentar se desvencilhar do comportamento “ranzinza”. Esta foi a saída encontrada por Danielle:

“Dentro de casa, minha família não reagia mais, porque consideravam que este era o meu jeito. Mas meu noivo começou a me dar uns toques. Ele tem grande parcela na minha melhora. A primeira atitude agora é pensar antes de falar. Porque como a paciência está lá embaixo, a resposta automática, às vezes, é indelicada. Então eu respiro e penso para falar com as pessoas.

Como lidar com a situação: Não tome decisões na flor das emoções; Duvide de seus julgamentos; Tente manter tranquilidade ou saia de cena; Encurte seu dia no trabalho; Opte por atividades mais prazerosas; Busque auxílio em alguém que confia; Procure ajuda psicológica.

O CatanduvasMais é um agregador de notícias, logo todo o conteúdo desta notícia é de responsabilidade do Jornal O Sul.

Deixe sua opinião:

pessoa(s) deixaram sua opinião. Sua opinião é muito importante, participe!