Bem-estar

Cientistas dizem que o uso do celular pode criar “calo” no crânio




Uma pesquisa de uma dupla de cientistas australianos aponta que jovens que ficam muito tempo com a cabeça dobrada para baixo, em uma posição comum para olhar a tela do celular, podem desenvolver uma protuberância na parte de trás do crânio. As informações são do portal G1.

O crescimento é comparável a um calo, e fica na parte de trás, na junção entre o crânio e o pescoço.

Os pesquisadores são David Shahar e Mark Sayers, da Universidade de Sunshine Coast, em Queensland, na Austrália.

Na mídia da Austrália, a pesquisa tem sido noticiada como o desenvolvimento de um chifre na parte de trás do crânio desenvolvido por causa do celular.

Shahar e Sayers afirmam que a prevalência dessa protuberância em jovens adultos aponta para uma mudança na postura das pessoas que foi causada pelo uso de tecnologia.

Smartphones e outros aparelho estão contorcendo a forma humana, de acordo com eles, porque os usuários precisam curvar a cabeça para a frente.

Os cientistas disseram que a descoberta marca a primeira documentação física de adaptação à presença de tecnologia no cotidiano.

Reportagem contesta anúncio de descoberta

A conclusão da pesquisa foi contestada em um texto do “New York Times”. Um dos autores é profissional de quiropraxia, e o outro, professor de biomecânica.

Especialistas consultados pelo jornal apontam algumas questões sobre o estudo: ele usa raios-x antigos, não tem um grupo de controle e não provou causa e efeito e, além disso, tem como base pacientes que já tinham problemas (e, por isso, procuraram um profissional de quiropraxia).

Ficar com a cabeça dobrada pode, em teoria, formar uma saliência, de acordo com um pesquisador entrevistado pelo “New York Times”.

Leia:  Uma especialista dá dicas para manter a saúde firme durante os dias frios do inverno: alimentação é tudo

Posição da cabeça pode afetar coluna cervical 

​De acordo com o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, cada vez mais os jovens têm procurado o médico com queixas de dores na coluna cervical, e a causa das dores em pessoas que ainda não têm o desgaste natural da idade está relacionada com a má postura durante o uso de celulares e tablets.

A flexão do pescoço, de acordo com o ortopedista Marcelo Risso, aumenta o peso exercido pela cabeça sobre a musculatura cervical. Em um ângulo de 15 graus, o peso é de 12 quilos. Quando a curvatura faz um ângulo de 30 graus, o peso sobe para 18 quilos. Com 45 graus o peso da cabeça passa para 22 quilos, chegando a pesar 36 quilos num ângulo de 60 graus. “É preciso ficar bastante atento à postura”, afirma.

O médico alerta que no curto prazo este vício de postura provoca dores musculares, mas com o excesso de horas nessa posição por dia e no longo prazo pode acelerar processos degenerativos, que podem levar a hérnias de disco precoces, por exemplo.

O CatanduvasMais é um agregador de notícias, logo todo o conteúdo desta notícia é de responsabilidade do Jornal O Sul.

Deixe sua opinião:

pessoa(s) deixaram sua opinião. Sua opinião é muito importante, participe!