Bem-estar

A maconha é pior para o cérebro do que o álcool

De acordo com um estudo publicado na quarta-feira no periódico científico American Journal of Psychiatry, o consumo de maconha é mais prejudicial para o cérebro de adolescentes do que a ingestão de bebida alcoólica. Segundo a pesquisa, adolescentes que usam maconha regularmente podem sofrer danos duradouros na capacidade de pensamento.

Para chegar a essa conclusão, pesquisadores da Universidade de Montreal, no Canadá, acompanharam 3.800 adolescentes (acima dos 13 anos) de mais de trinta escolas canadenses ao longo de quatro anos. Para obter uma descrição mais honesta do consumo de maconha e álcool, os estudantes receberam a garantia de que pais e professores não teriam acesso às informações – a menos que houvesse risco de segurança iminente.

Os participantes foram submetidos a testes cognitivos que mediam memória (de longo e curto prazo, incluindo recordação), raciocínio perceptivo e controle inibitório. Eles também responderam questionários anuais sobre a frequência do consumo de álcool e cannabis (maconha).

Entre os entrevistados, 75% afirmaram beber álcool, mesmo que ocasionalmente, enquanto 28% admitiram fazer algum uso de maconha. Embora o uso de maconha tenha sido menor que o de álcool, os pesquisadores concluíram que a cannabis causa mais danos à cognição do que o álcool.

Todos esses prejuízos cognitivos permanecem mesmo após a interrupção do consumo. “A cannabis compromete a cognição e provoca atrasos no desenvolvimento cognitivo dos adolescentes. Nosso estudo mostrou que o uso precoce da maconha causa prejuízos prolongados no cérebro”, disse a psiquiatra Patricia Conrad, principal autora do estudo, à rede americana NBC News.

A equipe ainda apontou que adolescentes que fumam maconha e bebem álcool estão mais propensos a apresentar problemas de cognição – processo cerebral pelo qual adquirimos conhecimento através da percepção, atenção, associação, memória e raciocínio. Já quando o uso do entorpecente é maior que o da bebida alcoólica, os indivíduos mostram efeitos adicionais, como atraso na memória.

Leia:  A Agência Nacional de Vigilância Sanitária aprovou uma nova vacina contra a gripe para idosos

“Seus cérebros [dos adolescentes] ainda estão se desenvolvendo e a cannabis está interferindo nisso. Eles [os adolescentes] deveriam postergar o uso de cannabis o máximo possível”, disse Patricia.

Outros vícios

De acordo com a autora, o acompanhamento mostrou uma conexão preocupante entre o uso da cannabis e a redução do controle inibitório – função cerebral que analisa e controla comportamentos impulsivos. O baixo desempenho dos participantes neste quesito mostrou um risco para outros comportamentos aditivos, ou seja, em alguns casos, a maconha tem potencial de se tornar a “porta de entrada” para outros vícios, incluindo drogas mais pesadas como crack e heroína.

Jean-François G. Morin, co-autor da pesquisa, contou que eles agora pretendem identificar se os efeitos no desenvolvimento cerebral podem estar associados a outras dificuldades, como baixo desempenho acadêmico, danos neuroanatômicos e o risco de futuros vícios ou transtornos mentais.

O CatanduvasMais é um agregador de notícias, logo todo o conteúdo desta notícia é de responsabilidade do Jornal O Sul.

Deixe sua opinião:

pessoa(s) deixaram sua opinião. Sua opinião é muito importante, participe!